Henrique Alves ‘já era’ ministro do governo Michel Temer

Henrique Eduardo Alves não é mais ministro do Turismo. Ele pediu demissão nesta quinta-feira (16), não suportando a delação premiada do ex-presidente da Transpreto, Sérgio Machado a força tarefa da Lava Jato. A decisão unilateral, Alves comunicou sua partida ao Palácio do Planalto nesta tarde. A esta altura o presidente em exercício Michel Temer já deve ter recebido a carta-renuncia.

Machado disse aos procuradores da Lava Jato repasse de R$ 1,5 milhão para o agora ex-ministro Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara na época em que foi deputado federal pelo estado do Rio Grande do Norte. O dinheiro foi em doações eleitorais provenientes de negócios escusos realizados na subsidiária da Petrobras.

Alves perdeu o foro privilegiado a partir do momento em deixou o ministério, tendo em vista ainda que não dispõe de mandato eletivo. Portanto, assim como outros envolvidos, poderá “visitar” a “República de Curitiba”, onde estão realizadas as investigações da Operação Lava Jato e passará para os cuidados do juiz federal Sérgio Moro. Dependendo, claro, do ministro Teori Zavascki no caso de entender que essa hipótese favorece a condução do processo.