JM quer conhecer o processo para saber como vai votar

Do PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, o senador José Maranhão está com uma conversa de alguns dias atrás e ao invés de assumir a postura de defesa do impedimento da presidente Dilma Rousseff, agora proclama que “preciso conhecer o processo”. Se refere ao calhamaços de 12 mil páginas que desembarcou nesta tarde de segunda-feira (18), advindo da Câmara Federal.

Adotou um tom de cautela “nunca visto antes na história” ao ser indagado sobre o seu posicionamento ao pedido de impeachment da presidente Dilma, que deverá ser julgado pelo Senado até o dia 21 de setembro, data estabelecida pelo presidente da “Casa Alta” do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

Foi o senador Maranhão, presidente estadual do PMDB, que orientou a bancada peemedebista na Câmara Federal a votar favorável ao impeachment. Parece disposto a contrariar a orientação do seu partido no plano nacional, talvez por causa de um aceno que tenha recebido do Palácio do Planalto.

A postura do senador é a seguinte: “Embora eu seja do PMDB e a unidade o princípio a ser seguido exige-se uma questão de ordem, pois preciso conhecer o processo na íntegra. Mas até agora meu posicionamento tem sido de admitir o processo de impeachment da presidente Dilma”.

O risco que faz entre apoiar o impeachment ou não é o aceno que poderá vir do outro lado da avenida onde está localizado o prédio do Senado e a sede do governo federal, chamado de Palácio do Planalto.