Adriano Galdino: depois da ‘reserva’ desponta o ‘titular’

Presidente da Assembleia, Adriano Galdino fixou morada em Campina Grande. Antes “reserva” da pré-candidatura à sucessão no município, tornou-se “titular” do time comandado pelo PSB do governador Ricardo Coutinho e seguirá assim até o dia das eleições em outubro. Transformou a disputa numa provocação, chamando o PMDB do pré-candidato Veneziano Vital para compor a sua chapa.

Esta com o discurso bem afiado. Sob Campina Grande, conhece cada uma das ruas, desde as pavimentadas até as que tem promessa de serem calçadas, mas que ainda não foram e não deverão ser. Explora bem o apoio do seu partido e a dedicação de Ricardo para transformá-lo prefeito do segundo maior colégio eleitoral do Estado. Obstinado, fala que antes da trajetória na política passou por maus bocados quando criança e adolescente.

Um discurso de que não há nenhuma dúvida mais sobre a participação no processo eleitoral campinense. Sabe que o primeiro passo é polarizar com o prefeito Romero Rodrigues (PSDB). Afinal, antes de tudo, precisa melhorar o desempenho nas pesquisas. Entre uma conversa e outra, um “cotovelada” em Veneziano ao expor que “é necessário acabar com as oligarquias na cidade”.

Bota seu cabo eleitoral Ricardo Coutinho em primeiro plano em tudo, quando declara que “vou chegar em Campina Grande levando duas premissas no bolso. A primeira, no campo administrativo, levar a cartilha do governador”, classificando como “uma coisa boa e que eu acho importante é o equilíbrio de contas”.

Citou, ainda, o ato do governador Ricardo Coutinho “que é de pagar o servidor em dia”. Como quem tem em mãos dados do desempenho do governo socialista na cidade, Galdino ressaltou, ainda, que irá implantar, na possibilidade de ser eleito, “o modelo de administrar de Ricardo, na área administrativa e econômica”.

De “reserva”, Adriano Galdino se transformou em “titular” de luxo.