Não custa nada reconhecer que oposicionistas alertaram

O governador Ricardo Coutinho (PSB) vai a abertura das atividades legislativas na próxima terça-feira (2). Acostumado a encarar problemas e vencer as dificuldades, seu discurso versará sobre a crise financeira e seus efeitos, obrigando o governo a tomar medidas duras, porém, necessárias para evitar o agravamento da situação de momento.

Vai observar olhares atentos dos deputados de oposição, mas também um grupo de aliados preparados para evitar a artilharia pesada dos contrários as ações do gestor socialista. RC poderia não comparecer a Assembleia, mas ele próprio decidiu que precisa ir de encontro aos parlamentares e dividir responsabilidades com a crise.

Dentre os problemas surgidos neste começo de ano o que mais preocupava era não pagar os salários dos servidores públicos estaduais dentro do mês trabalhado. Essa etapa foi vencida e janeiro o pagamento já está garantido. No entanto, a falta de dinheiro inviabilizou o governo de cumprir a data-base para o reajuste do funcionalismo.

O discurso do governador na próxima semana do alto da tribuna da Assembleia será acompanhado com olhares atentos, ouvidos bem abertos e repleto de expectativa. Afinal de contas, mais medidas poderão ser anunciadas porque o momento é grave. Não, o momento é gravíssimo. Sabe-se, agora, porque a oposição reclamava da criação do TC dos Municípios.

Sem sombras de dúvidas, a terça (2) poderá se transformar num prato cheio para a oposição. O que o bloco verbalizou em 2015 se apresentou ao governo do Estado apenas este ano.