Uma mistura de egoísmo e satisfação no discurso de Raniery

Não, o PMDB não depende de outros partidos para disputar as eleições municipais de 2016. O deputado Raniery Paulino foi quem fez a “exigência” num discurso duro e que ainda repercute nos bastidores do partido. Assim, para garantir a “felicidade do povo peemedebista”, o senador José Maranhão garantiu a candidatura própria aqui e em vários municípios.

Raniery é uma voz altiva em defesa da autonomia e respeito da história do partido. “O PMDB não pode estar agregado a nenhuma outra legenda. Eu não concordo com isso. Eu vou me rebelar se isso acontecer”, ameaçou ele durante discurso na convenção de sábado (31) passado. Houve quem fizesse cara feia, mas nada o incomoda.

Ao contrário dos “cara feia”, o deputado acrescentou uma ressalva em sua fala, “exigindo” que não aceitará, sob hipótese alguma, alianças com o PSDB do senador Cássio Cunha Lima e o PSB do governador Ricardo Coutinho, partidos adversários do ontem, hoje e futuro dos peemedebistas na avaliação de Raniery, cuja postura é do conhecimento de todos.

“Quem está aqui hoje quer um PMDB autônomo”, complementou sob os olhares de espantam de todos os presentes ao auditoria do partido.

Deixou claro que pode estar olhando para o próprio umbigo, já que tucanos e socialistas são os grandes adversários da campanha em Guarabira. Portanto, está mostrando um certo egoísmo, a julgar pela estratégia que está sendo articulada para uma aliança com o PSDB (João Pessoa) e PSB (Campina Grande).


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.