PMDB perde a memória quando quebra compromisso

Presidente estadual do PMDB, o senador José Maranhão andou sondando o grau de insatisfação dos deputados Gervásio Maia e Trócolli Júnior em relação a quebra de compromisso do partido, que orientou um rodízio de presidente no Diretoria de João Pessoa e voltou atrás por força de intrigas do passado. Os parlamentares estaduais buscam saber o que aconteceu para a mudança tão brusca.

Falta de memória? Talvez, quem sabe se não é esse o principal motivo que levaram a direção estadual escantear Gervásio, que deveria assumir a presidência do partido em João Pessoa, substituindo deputado Manoel Júnior que concluiu o mandato à frente do cargo recentemente e deverá ser reconduzido no próximo domingo.

Por isso, a reação. Trócolli veio à boca do palco nesta quinta (27) afirmando que “se Gervásio sair do PMDB e vou junto”. A dupla está muito bem afinada e têm tomados decisões de forma estratégica, sem abrir a guardar, no entanto, para dar motivos ao partido expulsá-los por justa causa, coisa que aconteceu recentemente com intervenções em diretórios comandados por GM.

“Quero reverter essa situação até domingo, porque eu não gosto de falar em traição e nem alimentar nenhum tipo de pendenga no PMDB. Existia um compromisso e esse compromisso foi quebrado”, disse Trócolli.

Quando instado a falar sobre a possibilidade de saída de Gervásio do PMDB, veja o que ele disse:

– Não podemos perder um deputado do calibre de Gervásio Maia que, além de ter uma história política no PMDB, é o futuro presidente da Assembleia e isso pesa em qualquer partido.

Talvez, para o PMDB da Paraíba não.