Numa das últimas entrevistas, ‘sou tímido, mas não um bicho do mato’

Sou tímido, mas não um bicho do mato”, foi logo avisando Luciano Agra quando se preparava para uma de suas últimas entrevistas. Sempre evitou emitir opiniões sobre o pesado jogo político protagonizado pelo então partido, o PSB e suas principais lideranças. Agra reconhecia a timidez, mas não fez nenhum esforço para mudar.

Dizia que “é meu jeito de ser”. E acrescentou: “Eu vou continuar o mesmo”. Porém, sabia que precisava melhorar o desempenho como figura política e líder de massa. Na entrevista concedida ao portal Maispb, Agra destacou que “é preciso uma boa oratória, uma boa presença cênica. Muita capacidade de articulação”.

Agra se considerava um síndico da cidade. Chamava de “minha casa”. Tinha o sonho de concorrer à reeleição. Porém, o PSB, então partido, lhe negou essa oportunidade. Resultou: apoiou Luciano Cartaxo e com o petista pode comemorar a vitória, mesmo que tenha sido pela metade.

Abaixo trechos da entrevista:

Chefe do Executivo – Um longo aprendizado. A convivência mais intensa começou quando cheguei a titularidade do posto, mas não teria administrativo com tranqüilidade se não tivéssemos uma equipe boa, de qualidade e que nos propiciou a tocar os projetos de desenvolvimento da cidade.

Discrição excessiva – Eu não vou mudar. É o jeito de ser. Fica difícil NE (risos). Eu vou continuar o mesmo. Sou uma pessoa relativamente tímida. Não gosto de muita exposição. Agora sou uma pessoa que tenho muita sensibilidade. Sou um trabalhador incansável.

Respeito aos políticos – Os políticos têm suas maneiras de verem o mundo e suas ideais. Eu respeito muito. Respeito o contraditório. Sei conviver com os contrários. Veja que eu não tive o menor constrangimento de dialogar com a oposição em Brasília. Com os senadores Vital do Rêgo, Cícero Lucena e Roberto Cavalcanti…

Perfil técnico ajuda? – O conhecimento técnico e, principalmente a bagagem de informações que nos adquirimos. Aí, sem falsa modéstia, eu sou da área da construção, da área de criação e neste sentido deu tudo certo, sobretudo em termos de obras pensadas para a cidade.

Homem de diálogo – Nós somos conscientes do papel do Poder Executivo e do equilíbrio que existe no legislativo. E respeita os parlamentares, pois eles têm uma visão muito aguda dos problemas da sociedade… Evidente que isso soma, além  do que todo mundo me conhece lá (Câmara dos Vereadores). Sabem que o meu primeiro emprego com carteira assinada foi na Prefeitura de João Pessoa.

De vice a prefeito – Eu sou uma pessoa muito otimista e tenho uma visão de longo alcance, porque a situação de planejar me permite vislumbrar cenários pela frente. Pra mim não foi nenhuma novidade.

Resposta rápida – Numa escala de um a dez, eu daria nota sete para disputar à reeleição (risos).

OBS: Não disputou porque o PSB e suas lideranças não deixaram

 


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.