‘Onda Aécio’: Cássio diz que ‘chegou a vez da Paraíba; está ao alcance de nossas mãos’

Cássio Cunha Lima entrou no estúdio da TV Cabo Branco na noite passada entusiasmado com a “onda Aécio (Neves)”, candidato à presidência da República que está conquistando a simpátia do eleitor brasileiro. Assim como o presidenciável, Cássio também é filiado ao PSDB e amigo pessoal do tucano mineiro.

Entre os tucanos, a data de 13 de outubro pode representar muito para a Paraíba, a redenção de um estado que tem a chance de alcançar o desenvolvimento, assim como aconteceu com o vizinho Pernambuco que cresceu por causa da dobradinha político-administrativo entre Lula e Eduardo Campos.

É óbvio que tudo ainda está no campo das hipóteses. Mas Cássio falou que uma eventual eleição de Aécio e, consequentemente, a sua para o governo do Estado nas eleições de 26 de outubro, a Paraíba tem a grande chance de se tornar o Pernambuco de hoje e do futuro.

Amigos desde a época da constituinte, muito jovens ainda, Aécio e Cássio voltaram a se encontrar na atual composição do Senado da República. São companheiros de bancada e estão na mesma luta eleitoral e uma vitória de ambos a grande vitoriosa será a Paraíba.

E como bem declarou o candidato Cássio: “É vez da Paraíba. Está ao alcance de nossas mãos”. Uma verdade pura e cristalina, pois não seria a mesma coisa, por exemplo, em caso da reeleição da presidente Dilma. Sem dúvida, como faz lembrar a parceria entre Lula e Eduardo Campos, que possibilitou maior crescimento econômico de Pernambuco.

Qual o estado que não sonha receber projetos estruturantes como portos, refinarias e fábricas de automóveis? Pernambuco ganhou investimentos no setor industrial graças a parceria do governo federal e o estadual. A conjectura é permitira n este momento em que Aécio lidera as pesquisas para presidente. No entanto, passa pela vontade do eleitor. Ele quem decide.

Mas voltando para o estúdio da televisão, a entrevista com Cássio foi desenrolando e ele, mais uma vez, apresentou o seu plano para governar o Estado. “Nós vamos fazer uma ampla reforma”. CCL estreou as entrevistas com os candidatos que disputam o segundo turno das eleições de 2014.

Sobre o primeiro turno, comentou que houve “uso indiscriminado da máquina pública”. Não poupou criticas ao atual modelo de saúde pública do Estado e questionado a respeito da possível privatização da Cagepa disse ser contrário, mas defendeu parcerias público-privadas para o tratamento de esgotos.

O Bolsa Família, uma versão do seu partido (PSDB) a frente do governo federal, Cássio disse que vai pagar o décimo terceiro salário. “Hoje, não existe o 13º. O que há é apenas uma bonificação e minha proposta é sim pagar o décimo. Vamos trabalhar para quem mais precisa”.


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.