As placas institucionais e o silêncio de petista

Aliado do PSB, partido rival da candidatura presidencial do PT, o deputado federal petista Luiz Couto mantém um silêncio sepulcral ante as placas institucionais do governo do Estado. No passado, costumava proclamar que a administração estadual fazia festa das obras com o “chapéu alheio”, porque as recebiam recursos federais, no entanto, não credenciava o governo federal na gestão do ex-presidente Lula, inclusive as relacionadas aos programas sociais.

Hoje, mesmo defendendo o governo do partido adversário do seu petê, o deputado Luiz Couto – candidato a reeleição – não se manifesta, depois da ordem do juiz José Guedes Cavalcanti Neto, da propaganda eleitoral, que determinou a retirada das placas institucionais a pretexto de estar desequilibrando o pleito deste ano.

A decisão, em caráter liminar, atende a uma representação da coligação “A Vontade do Povo”, encabeçada pelo candidato Cássio Cunha Lima (PSDB).

A denúncia foi encaminhada à Justiça Eleitoral porque se verificou que existe afronta ao artigo 73 da Lei 9.504/97. O dispositivo legal proíbe publicidade institucional nos três meses que antecedem o pleito eleitoral. Ou seja, o governo deu uma de gato mestre ao tentar burlar a legislação em vigor.