Em nota, governo do Estado diz que deputado Luiz Couto mentiu

nota

Se o deputado federal Luiz Couto (PT) queria um motivo para romper com o governo Ricardo Coutinho (PSB) encontrou nesta terça (1º). Em nota, o Palácio da Redenção desclassificou as denúncias feitas pelo religioso-parlamentar contra o secretário estadual de Administrativa Penitenciária, Walber Virgulino.

Abaixo a nota:

“Com relação ao pronunciamento do deputado federal Luiz Couto, na sessão de ontem na Câmara Federal, a Secretaria de Estado da Comunicação Institucional vem a público esclarecer que:

A Secretaria de Estado da Segurança não detectou ou recebeu nenhuma denúncia de ameaça às vidas do deputado nem da ex-ouvidora Valdênia Paulino, portanto, não partiu da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social qualquer informação ao parlamentar ou à Polícia Federal sobre supostas ameaças destinadas aos mesmos.

A presença de policiais militares na escolta do deputado federal Luiz Couto na data de sua última vinda ao Estado deveu-se a apoio de rotina à Polícia Federal e não à denuncia que fundamentasse a necessidade de reforço na proteção do deputado.

A Secretaria de Estado da Administração Penitenciária abriu sindicância para investigar o suposto uso do veículo do Grupo Penitenciário de Operações Especiais, bem como solicitou ao Ministério Público apuração dos fatos narrados na denúncia do deputado Luiz Couto.

As denúncias feitas pelo parlamentar carecem de fundamentação para auxiliar as investigações que serão realizadas pelas secretarias de Estado da Segurança e Defesa Social e Administração Penitenciária.

O Governo do Estado ressalta ainda que, no limite de suas competências, qualquer ameaça à integridade do deputado será apurada de maneira enérgica pelas forças de segurança da Paraíba.”

OBS: Para a Secretaria de Estado da Comunicação Institucional, que assina a nota, o deputado petista simplesmente mentiu.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.