Presidente do PTC avalia “aborto” do Conselho Político. “Ele foi ágil”

Ex-deputado estadual, atualmente presidente do PTC/Paraíba, Neto Franca (foto) disse nesta segunda (23) que o governador “socialista” Ricardo Coutinho “foi ágil” em abortar a criação do que considerou de “Coletivo II” ou o Conselho Político da campanha reeleitoral.

Foram 25 nomes escolhidos a dedo pelo secretário-chefe da Casa Civil, Walter Aguiar. “Esse teria o objetivo de avaliar, discutir e apresentar estratégias (…). Tinha intenção, também, de melhorar a imagem do governo para as eleições do próximo ano”.

Neto apontou como um dos fracassos do grupo “foi a formação”. Disse que o número de técnicos e não políticos na composição do Conselho Político poderia causar mais problemas internos de vaidade e, também, não iria ser ouvido pelo governador, já que, segundo o presidente do PTC, “Ricardo é muito centralizador”.

 “O grupo tinha um número alto de membros (25) e não contemplava alguns políticos que participam da atual administração, como também outras lideranças partidárias que apóiam o governo socialista…”.

“… E para mim, não adianta Ricardo criar outro novo grupo de trabalho com novos representantes, se o maior problema dele é que é uma pessoa de escutar pouco e decide sozinho…”.

“… Basta lembrar o coletivo (1) que tinha este objetivo e que o mesmo foi extinto recentemente e a grande maioria dos seus membros como, Alexandre Urquiza, Luciano Agra (PEN), Nonato Bandeira (PPS) e outros não aguentaram o estilo centralizador de Ricardo”, destacou.

Outro problema do governador, de acordo com Neto, são as promessas não cumpridas, “como a de fazer 40 anos em quatro”, destacando, ainda, que “ele (Ricardo) não conseguiu destravar as obras prometidas da campanha de 2010”, concluiu.


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe uma respostaCancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.