Sequestro de Moro estava orçado em R$ 564 mil

Meio milhão e R$ 64 mil foi o valor fixado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) para sequestrar o senador Sérgio Moro (União-PR), ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça.

A Polícia Federal chegou a esse número após analisar uma imagem anexada aos autos. É parte de um diálogo entre os investigados Aline Maria Paixão e Janeferson Aparaecido Mariano Gomes, o Nefo.

O homem pede que Aline faça um print e guarde, “pois são importantes”. Nele está a descrição dos gastos para a execução do sequestro de Moro.

A linguagem cifrada da imagem do diálogo teve o objetivo de dificultar a identificação da ação criminosa. “Tokio” seria o codinome para se referir a Sérgio Moro e “Flamengo”, para o sequestro.

Na reprodução da tela com as mensagens Nefo/Aline o controle de gastos dos criminosos indicava a destinação do dinheiro para a execução do plano: R$ 110 mil para compra de um fuzil, R$ 50 mil para o sequestro, R$ 35 mil para aluguel de carro para a ação, R$ 100 mil para alugueis e R$ 35 mil para motorista.

Os gastos envolveriam outros valores com códigos cifrados, que totalizam os R$ 564 mil.

(Com informações do O Antagonista)