CENÁRIO DA REALIDADE É APÓS DIA 7 DE ABRIL DE 2018

O título acima não é do repórter, mas sim de alguém que acompanha os passos dos protagonistas, também dos coadjuvantes das eleições do próximo ano, na Paraíba. Dois personagens assumiram a linha de frente do processo eleitoral, pois assim entende o interlocutor do blog que os senadores José Maranhão (PMDB) e Cássio Cunha Lima (PSDB), “sem dúvidas, é quem distribuirão as cartas do jogo eleitoral”, observou.

Já percebendo toda essa movimentação, o governador Ricardo Coutinho (PSB) já faz movimentação para neutralizar o senador Maranhão, tentando atrair o peemedebista para o seu time, de forma a limitar a movimentação do tucano Cássio. Correndo por fora, já como uma personagem ainda inferior aos nomes citados, está a vice Lígia Feliciano (PDT), que mergulhou e acompanha os acontecimentos para emergir na hora certa.

Agora, por que 7 de abril? É a data em que os detentores dos cargos do executivo terão que se afastar para concorrer as eleições. O governador Ricardo não diz a ninguém que vai deixar o posto para concorrer a uma das duas vagas de senador. Diz-se que o socialista não anuncia neste momento porque perderia as atenções para a vice Lígia. Seria mais ou menos assim: Numa solenidade, Lígia atrairia mais prefeitos por causa da perspectiva de poder.

E é verdade. A pura das verdades que, certamente, o governador Ricardo não gostaria de enfrentar uma situação dessa. Por isso, mantém a prudência de não informar qual o seu futuro político, se permanece no mandato correndo o risco de trocar oito meses por oito anos de senador. E pior: se ficar ter que enfrentar uma fila de passivos jurídicos sem que possa se utilizar da imunidade de político com mandato.

Por isso, os senadores Maranhão e Cássio estão na crista da onde. Eles, juntos, colocarão as cartas na mesa em favor ou desfavor dos nomes já colocados dos prefeitos Luciano Cartaxo e Romero Rodrigues. O melhor cenário, portanto, pra o socialista Ricardo não é João Azevedo e, sim, sua vice Lígia. Quer queira, ou não.