Escolha do presidente do PT de JP virou caso de polícia

O PT não tem jeito. Enlameado pela operação Lava Jato no plano nacional, aqui está envolvido em falcatruas e denúncia de realizar um Processo de Eleições Diretas (PED) – escolha do presidente municipal de João Pessoa – cheiinho de irregularidade. Deu-se no final de semana, mas só nesta quinta-feira (13) é que o escândalo tornou público graças ao “bate língua” do ex-candidato Josenilton Feitosa. Ele abriu o jogo:

“Houve falsificação de assinaturas, transporte irregular de eleitores e votos por troca de favores por parte de membros da tendência interna do PT, CNB (Construindo Novo Brasil) e aliados”, denunciou Feitosa. O curiosa, mesmo não envolvendo altas somas de dinheiro, o modo “operandi” parece se confundir com o que vem ocorrendo em nível nacional.

Feitosa não parou mais de falar: “Fizemos fotografias da sede fechada (foto), que não deveria estar, até porque existe prazo de 48 horas para apresentação de recursos, e fizemos boletim de ocorrência na polícia sobre essa situação”. Ou seja, qualquer questionamento sobre o processo de escolha do petismo não tem mais pra onde recorrer, a esta altura dos acontecimentos.

Esse é o PT que todo mundo conhecer.