Mineral dá uma de “João Sem Braço” para cima dos tucanos

Prestes a ganhar o mandato, o ainda suplente Antônio Mineral (PSDB) não está nem aí para as ameaças dos tucanos, que prometem tirar-lhe a titularidade se não se enquadrar as orientações partidárias. Ele ocupa atualmente a vaga do deputado Ricardo Marcelo (PMDB), que está licenciado das atividades parlamentares.

Mineral aproveitou o ocupou espaço na bancada governista na Assembleia Legislativa. Vota a favor de todos os projetos do Executivo estadual no plenário e segue, sem nenhum constrangimento, as recomendações oriundas da liderança do bloco do governo, comandada pelo deputado Hervásio Bezerra (PSB).

Os tucanos ameaçam Mineral de expulsão. Se acontecer, também perderá o mandato por infidelidade partidária. Ele esquecer que pela legislativa em vigor o cargo pertence ao partido, e não ao político eleito pela legenda. Nesta terça-feira (18), subiu a tribuna para dizer que “já voto a favor dos projetos do governo há tempos”.

Quando instado a falar se recebeu uma convocação do partido, ele foi ao ponto:

“Não teve nenhuma convocação do presidente do PSDB, nem de nenhum membro da Executiva estadual. Quero dizer que não é momento de briga. A gente deve se unir ao invés de procurar brigas…”

“… Já faz seis anos que voto nas matérias do governo Ricardo Coutinho nessa Casa. Quatro anos quando Cássio apoiou Ricardo e vai fazer dois anos que estou votando nas matérias do governo. Voto de acordo com o que vai beneficiar a Paraíba…”

“… O que eu quero ao lado do governador é abrir o Centro de Oncologia de Patos e não brigar com ninguém. Estou à disposição do PSDB para discutir os problemas do Estado”, concluiu.

Em tese, Mineral tem razão, principalmente quando afirmar que é governista de carteirinha. Ao PSDB não resta mais nada, que não seja engolir em seco o seu filiado.