TCE afirma: ‘Gestora estadual faz exercício de adivinhação’

Os Guedes bateram logo cedo à porta do governista PSB, veiculando uma decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE) que não agrada a ninguém, ainda mais em se tratando de um suposto malfeito e um contrato celebrado entre a Secretaria de Desenvolvimento Humano e o Instituto Francisco Mariano. Você pode estar perguntado o valor: R$ 154 mil.

O texto: “O contrato nº 001/2017 foi celebrado em 11.01.2017, porém o empenho foi realizado em 26.11.2016, invertendo a ordem de processamento do gasto, com a realização da despesas antes da celebração do termo de ajuste. Em dois meses de vigência, foi pago ao Instituto Francisco Mariano a quantia de R$ 154.400,00. Foi pago R$ 96.500,00 em 09.02.2017 e %$ 57.900,00 em 24.03.2017, que correspondem a 80,00% do montante total contratual.”

Segue com o parecer apontando: “O mais grave, porém, é que, por meio de um inexplicável e difícil exercício de adivinhação, a Gestora empenhou a despesa antes mesmo do resultado final e homologação do Pregão Presencial nº 00011/2016, publicado no DOE em 13.12.2016. O Pregão nº 00011/2016 teve o objeto licitado adjudicado e homologado em 09.01.2017, dois meses depois do empenho da despesa em favor do licitante vencedor”.

Adiante, o relatório técnico diz: “Essa situação revela fortes e graves indícios ilícitos no processo licitatório, em benefício da entidade que restou vencedora, unicamente, participante do certame.”

A maré para o Governo Ricardo Coutinho não está pra peixe. Só notícias ruins…