Procurador defende delação; ele pediu cassação de RC

Na Rádio Arapuan, o procurador Marcos Queiroga, novo chefe do Ministério Público na Paraíba,  defendeu o que a população inteira aplaude: o instituto da delação premiada. “Se não fosse isso, não haveria Lava Jato”, declarou.

Para em seguida complementar: “É o instituto da colaboração premiada uma ferramenta imprescindível, que possibilita ter conhecimento de fatos que nunca viriam à tona, capaz de desmantelar esquemas, chegando a quem comanda as organizações criminosas”.

Como se sabe, enquanto membro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), representante do Ministério Público Federal, o procurador Marcos Queiroga pediu a cassação do governador Ricardo Coutinho, numa das oito Aijes (Ação de Investigação Judicial Eleitoral), que tramita no órgão sob acusação de crime eleitoral.

Os demais membros da Justiça Eleitoral da Paraíba não levaram em consideração, em que pese a preciosidade do parecer, com riquezas de detalhes da existência de crime na campanha de 2014. Perdeu aqui e recorreu para o TSE, em Brasília.