MPF enquadra ex-prefeito de Patos, NABOR WANDERLEY

Os portais estão noticiando que Nabor Wanderley (PMDB), deputado estadual e ex-prefeito de Patos, está enrolado, neste primeiro momento com o Ministério Público Federal (MPF). Ele deverá responder por um processo de improbidade administrativa, podendo virar réu e, se condenado por um órgão colegiado, até antes das eleições poderá ser enquadrado dentro da Lei da Ficha Limpa.

A acusação é de contratação ilegal de Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, as conhecidas Oscips, também despesas não comprovadas durante o primeiro mandato de Nabor como prefeito de Patos. O MPF teve o cuidado de recorrer aos préstimos da Receita Federal para saber quais as entidades envolvidas.

Então, saiba quais são: Centro de Geração de Empregos (Cegepo), em 2005 e o Instituto de Desenvolvimento Socioeconômico, Cientifico, Ambiental e Tecnológico (Interset), em 2006, 2007 e 2008. Ambas não mais se encontram em atividade, conforme consulta do MPF junto a Receita.

O autor da denúncia contra a gestão de Nabor foi o vereador Antônio Ivanes de Lacerda, que apontou as irregularidades sobre as Ocipes. As investigações apontam que as pessoas jurídicas eram utilizadas em prol de um esquema de contratação de servidores para o município, sem o devido recolhimento de contribuições previdenciárias e outros direitos inerentes à categoria, com burla à realização de concurso público e ao limite de gasto com pessoal da municipalidade.

“Os profissionais eram contratados pelas Ocipes como ‘voluntários’ e seus salários eram pagos como se fossem a título de ressarcimento de despesas”, explica a Procuradoria da República.

A coisa ficou feia para o lado do deputado Nabor Wanderley.