Começou a contar o prazo para a cassação de Berg

Afastado do cargo desde 4 de julho, após ser flagrado pegando uma propina de um empresário do ramo de alimentação de Bayeux, Berg Lima acordou mais cedo do habitual nesta sexta-feira (22). Ainda encarcerado, recebeu a visita do presidente da Comissão Especial que vai apreciar a cassação do prefeito presidiário.

O vereador Roni Alencar (PMN) foi pessoalmente entregar o documento-notificação que pede a cassação do prefeito. Antes, ele (Berg) já tinha sido expulso do Podemos, ex-PTN, partido que abrigava sua filiação partidária. A partir de ontem, o ainda prefeito tem o prazo de 10 dias para se defender.

A vontade para pegar a propina era tamanha que o Berg Lima não tem como se defender das acusações, que podem levá-lo a cassação do mandato do prefeito que passará apenas seis meses no mandato, depois de eleito pela vontade popular.