Berg foi pegar dívida de empréstimo e não propina

Nesta sexta-feira (4), completa um mês da prisão do prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima (sem partido). Falaram de tudo, inclusive que ele estava deprimido e teria atentado contra a própria vida. Também, que ele teria colocado à venda imóveis de sua propriedade. Outra: Berg seria dono de uma Ferrari, que estaria com mandado de busca e apreensão. Tudo especulação.

A defesa entrou com um pedido de Habeas Corpus para libertá-lo do cárcere, mas na busca da verdade o blog obteve a informação que a realidade é completamente outra do que foi noticiado na época da prisão em flagrante. Ou seja: Berg não foi ao escritório do empresário João Paulino de Assis pegar uma propina.

Para os defensores o prefeito Berg teria sido atraído para uma “cilada”, porque a “versão verdadeira” é que ele foi ao escritório do empresário Paulino pegar o dinheiro de um empréstimo e não a propina. Esse é o principal “mote” da peça que acompanha o Habeas Corpus, com pedido de liminar de liberdade.

Isso é que se chama de “álibi” perfeito.